segunda-feira, 14 de maio de 2012

O poema


Foi vivo
                  
                    (bem melhor que este)
                                                
                                                           - o poema -

embora ainda aquém
do texto formal.

Sequer um verso, mesmo ilógico,
grafou-se em rascunho no momento do episódio;

todo ele viveu na emoção minha
ao ver a samambaia ungida pelo carinho
do sorriso e do olhar dela

num instante a esmo e fugaz.

 

Poema sem palavras,
sem som quase,
mas em excesso de luz e realidade
(mínimo rumor dedilhando a nuance do afeto
            no céu, na terra, na tarde).

Sem mais ruído que o bater das pestanas,
o volteio da cabeça,

com nada além do farfalho dos cabelos
caindo-lhe nos ombros
quando,
                 devido a um movimento,  
                                              
                                   o coque
                                                    
                                                se desfez.
Um poema sem.
Dizendo tudo.

Vivo no silêncio da rima

de um 
                    seu sorriso

com um
                    seu olhar.