quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Insônia


De que te serve um vício tão feroz
a consumir teu coração em cicatrizes,
sem compensar o dano da angústia atroz
com mínima sensação de euforia ou paz ?

É inútil que tua mais eficaz memória
raspe com canino afinco e esmero
os esqueletos sórdidos que por ódio
conservas no formol do desprezo.

Devido à fé no pudor a que te agarras
(e não por gana de vingança),
trancaste as portas de entrada e de saída,
só ficando tu na jaula desta faina.

Então, a cada manhã, os mesmos ossários,
à noite descarnados, em dor se reencarnam,
sem que nenhuma chance de libertação
te conceda este labor estéril e amargo.