sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Espumas


Recordo,                    
                                   à distância do tempo,
as duras palavras
                                   ditas,
que na espuma
da raiva
                                   escondiam                                 
o meu coração

                                   ferido 

mas pronto a engolir
e acatar

novas mentiras             
                                  tácitas...


Pois ainda agora,
numa onda
                                  absurda
que do inferno
retorna
como relíquia            sinistra e soturna,

os motivos me ecoam.


E severos ainda magoam
                                  e ferem,

com dores inúteis
para um enredo
                                  tão velho.


Ah, infinitas espumas da ressaca
que na areia da praia
evaporam
sem rastro ou vestígio,

                                 eu invejo tuas águas.

5 comentários:

J.G. disse...

Continuo a gostar muito dos seus poemas.
Abraço

João Renato disse...

Obrigado, Júlia.
É para pessoas como você que eu escrevo.
Abraços.
JR.

K. disse...

Tão lindo!

teus poemas criam "imagens vivas dentro de mim".

beijo.

Gerana Damulakis disse...

Belíssimo final!

João Renato disse...

Gerana, você deixou saudade na blogosfera.