quinta-feira, 14 de outubro de 2010


Não nasci propenso à luta
nem às glórias da vitória;
me falta amor à batalha
e voragem de aventura.
Quando sonho algo que valha,
eu mesmo faço a muralha
que me impede e me atrapalha.
Por isso, sempre que venço,
não sou feliz; sou surpreso.
Sigo quieto o meu destino,
e se enfrento certos riscos,
não gozo nos desafios;
são imposições da vida
que encaro sem covardia,
mas sem brilhos de heroísmo.

Desse jeito vou vivendo,
e meu riso é verdadeiro
quando nasce da alegria.
Mas tentar fugir da briga
suja a minha biografia.
Não fico feliz com isso,
mas tampouco em desespero,
e quem vá à rua comigo
nem notará o meu segredo.
Salvo se do mesmo tipo,
cujo olhar já denuncia
que também não sente medo
de aceitar os seus limites,
e que estando alegre ou triste,
ama a vida e tem defeitos.

4 comentários:

Gerana Damulakis disse...

É uma filosofia. Cadê o título? Talvez "Um Segredo"?

João Renato disse...

Gerana,
Eu tenho tanta dificuldade para achar um título para o que escrevo que geralmente desisto.
Segredo poderia ser um bom título, mas se eu o estou contando agora não ficaria estranho ?
Não será na verdade uma "Revelação" ?
Abraço,
JR

Gerana Damulakis disse...

É, seria uma revelação, mas:
"Não fico feliz com isso,
mas tampouco em desespero,
e quem for na rua comigo
nem notará o meu segredo".
Pensemos, então, que tal "Um segredo não notado". Eu também não sou boa para títulos.

João Renato disse...

Gerana,
Acho que ainda não, porque se é segredo, necessariamente é não notado.
Talvez seja um "segredo compartilhado".
Ab,
JR