sábado, 4 de julho de 2009

Aceita...


Evita fazer verso da emoção que trazes
quando ainda muito impregnada
de alguém determinado ou episódio 
ou espaço da cidade: 
uma mulher, alguma esquina, aquele dia,
aquela praia...

Aceita que há fatos e lugares e pessoas
que se agarram à oferenda
real da vida física
e desprezam o halo etéreo
da poesia e da arte.

Repara
que tua mera lembrança delas
já supera e torna ingênuas
tuas rimas, teu poema, tua frase.

Talvez, da vida nunca se desprendam;

se livres,
        te buscarão mais tarde.

Um comentário:

Domingos da Mota disse...

João Renato Marino,

Citando Carlos Drummond de Andrade:
«Não faças versos sobre acontecimentos».

Gostei deste seu poema (os outros vou passar a lê-los com vagar).

Domingos da Mota