sábado, 8 de novembro de 2008

Súplica


– Vida !
Já que revidas
com força bruta
e nenhuma pena,
dá-me como fuga
a paz da luta
no poema.

Nenhum comentário: